RSS

Arquivo da categoria: Publicações

Da Mulata Assanhada à Faixa Amarela: o racismo, o sexismo, a cultura de violência e as molas propulsoras da Música Popular Brasileira

Semana passada, estava assistindo a um programa de TV exibido no canal fechado Bis sobre uma turnê do DJ holandês Tiësto em Kuala Lumpur, na Malásia. Em seguida, começou um outro programa musical de samba cuja cena inicial foi um clip em que o cantor e compositor Dudu Nobre cantava a música Mulata Assanhada, composição de Ataulfo Alves, na qual um dos trechos diz o seguinte: “Ai, meu Deus, que bom seria/Se voltasse a escravidão/Eu comprava essa mulata/E prendia no meu coração.”

Distraída que estava, fiquei estupefata ao ouvir a composição e, ato contínuo, me dediquei a buscar sua letra e ver em versos o que sua composição trazia.

A música foi interpretada por grandes ícones da MPB, Elza Soares & Thiaguinho, Elis Regina, e por assim sê-la está passiva de ser questionada. Só que não.

Ciente da “licença poética” concedida aos compositores para rabiscarem em verso e prosa as maiores atrocidades em ritmo musical, sei que confrontar o que se entende como MPB é quase um desacerto, senão um desacato, ou quem sabe até um crime de lesa-pátria. Mas, devo confessar que, diante de tamanha atrocidade expressa na letra desta música, não me permiti ser passiva, como assim o fiz diante de tantas outras que cantarolaram por aí.

É notório que a escravidão no Brasil durou oficialmente 388 anos – e estamos no processo moroso de reparo social há apenas 127 anos; a PEC das Domésticas , o sistema de cotas  e os ataques ao Programa Bolsa Família  estão aí para mostrar o quão tenso e conflituoso é tentar mexer – ainda que timidamente – no nosso passado escravista a fim de reparar os nossos crimes históricos. Ou seja, ainda estamos bem longe de promover cidadania e garantia de direitos equânimes aos oriundos do regime escravista. Tão logo, musicar um evento desastroso para a nossa sociedade atrelando a isto relação de amor é de uma conotação agressiva, que trata de violar os direitos mínimos necessários adquiridos por aqueles que foram vitimados pelo regime. É então, tratar com descaso o ocorrido e invalidar a luta social estabelecida em prol da sua extinção.

Lembrei-me da cena de abertura do primeiro capítulo da minissérie Suburbia, em que Érika Januza estreou na carreira de atriz interpretando uma trabalhadora doméstica que foi estuprada pelo patrão ao som de uma música de Roberto Carlos. A Rede Globo, como sempre, prestou mais um enorme desserviço à sociedade brasileira ao nos fazer acreditar que estupro e sexo são a mesma coisa. Gilberto Freyre pouco é bobagem.

Falar da escravidão com o descompromisso e sem se ater à tragédia que proporcionou é de uma leviandade sem precedentes, pois tende a invalidar conquistas promovidas por políticas de reparação que há muito tentam se firmar.

E há um propósito fiel nas composições que retratam situações do cotidiano, e até mesmo eventos fatídicos e de tragédia com tamanho desdém que se isentam de qualquer responsabilidade. Pois, trata de garantir que o fosso e as assimetrias de classe/cor se esvaiam a ponto de criar pontes nas conjunturas sociais que se valem da violência a fim de corroborar com o desnível social que nos achaca.

Mas não só da escravidão se atém os compositores. A cultura da violência ultrapassa as fronteiras do permissivo e invade o cotidiano das pessoas a fim de pormenorizar sua prática. Ao que temos então a música Faixa Amarela, de composição de Zeca Pagodinho, que traz o seguinte: “Mas se ela vacilar/ dou um castigo nela/ dou-lhe uma banda de frente/ Quebro quatro dentes e cinco costelas/Vou pegar a tal faixa amarela/Gravada com o nome dela/E mandar incendiar/Na entrada da favela.”

A composição incute no imaginário popular que a violência contra a mulher não só é comum, mas necessária, pois torna digno de ser quem o pratica. Mais uma vez cantada em verso e prosa, se traveste de amor um ato de violência que se justifica numa sociedade em que esta prepondera.

Ou seja, tratamos aqui de abordagens que partem do nosso passado histórico e recaem sobre o senso comum.

A explorar um pouco mais desse vasto universo musical, vos trago outra composição muito conhecida e interpretada por um das maiores figuras da música brasileira, Elis Regina: “Nega do cabelo duro/Qual é o pente que te penteia/Qual é o pente que te penteia/Qual é o pente que te penteia, ô nega”.

Semelhante a essa há também, “Nega do cabelo duro/Que não gosta de pentear/Quando passa na Baixa do Tubo/O negão começa a gritar”, interpretada por Luiz Caldas, grande músico baiano – segundo dizem -, considerado o “pai da Axé Music”.

Perante os padrões de beleza que se configuram, tratar a diversidade com deboche e desprezo é firmar o contrato social que garante que o bom e o belo é ser branco e ter cabelo liso, adiante isso foge-se à regra.

Questionar o inquestionável é ferir os brios de um grupo privilegiado que por ter assegurado o direito que os acomoda num conforto social ditado pelas assimetrias de classe, cor e gênero.

A música é mais um veículo a transmitir essas assimetrias, e através dela se estabelecem padrões de beleza, regras sociais, estilos de vida em comunidade, e tantos outros fatores que acomete quem está em desvantagem frente ao privilégio de não ser fruto de um sistema de classe que não preza pelo respeito e diversidade entre os povos.

A variedade musical da nossa sociedade nos mostra o quanto ainda estamos confortavelmente ancorados nesse sistema, que ainda preza pela cultura de violência, pela negação social, e, sobretudo em tratar como insólito e inválido o outro.

 
1 comentário

Publicado por em 27/01/2016 em Publicações

 

Quando me descobri feminista

Devido a algumas percepções do meu cotidiano que me afet(av)am (in)diretamente, debrucei-me sob leituras que julguei pertinentes e necessárias a fim de entender o que me cerceava como mulher, e o que me rotulava por ser mulher e negra. Lembro que esse foi o pressuposto para eu pensar minha condição social no mundo no qual estava inserida, e, de posse dessas leituras, meu inconsciente retomou algumas situações do meu passado e da minha memória afetiva que delineou meu posicionamento político diante de determinadas fronteiras.

A princípio, devo recordar uma situação que me ocorreu quando eu tinha oito anos de idade, e que me fez pensar por que e de qual lugar eu tomava para mim a condição de ser feminista (por mais que eu não reivindicasse esse rótulo para mim completamente).

maya

Certo dia, meu pai chegou do trabalho, foi ao banho, e minha mãe, atrelada com os afazeres domésticos, imediatamente largou o que tinha à mão, foi esquentar a janta para logo em seguida pô-la na mesa para ele. Eu, com oito anos, não concebia o porquê de uma pessoa, sendo ela mulher, ter de esquentar a comida para outra, no caso o homem, sendo que se ele estava com fome, ele deveria esquentar sua própria comida. Naquele tempo, eu não entendia muito bem como as situações transcorriam em meio à ordem social vigente para os nossos padrões de convivência numa sociedade patriarcal. Esse foi o fio da meada que me circundava.

Em momento oportuno, me apropriei de cabedal teórico sobre o feminismo negro, e pude perceber quais eram os demarcadores sociais que subjuga(va)m a mulher, em especial a mulher negra, à mera condição de subalterna.

Tão logo, vi a necessidade urgente de questionar, debater e sobrepor a ordem social que havia demarcado o meu lugar na sociedade, e, assim, partir para o enfrentamento diante das condições que me foram dadas.

Foi o que eu fiz: mergulhei a fundo em leituras de Bell Hooks, Alice Walker, Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro, Chimamanda Adichie, Neusa Santos Souza, dentre outras, a fim de burlar o círculo vicioso no qual estava envolta e romper com os rótulos que me foram atribuídos.

Primeiramente, fiz uma imersão nas leituras, estas, por sua vez, como numa digressão psicanalítica, retomaram situações que me ocorreram quando da minha infância, mas que, por conta da imaturidade pueril, não me davam argumentos necessários ao que acontecia – momentos semelhantes aos acontecidos quando dos meus oito anos, e que por ora não compreendia. Aos poucos, fui relembrando casos e situações do meu espaço doméstico visto sob a ótica da normalidade, mas que me provocavam extremo furor. É importante salientar que devo retomar alguns dados da minha vida cotidiana familiar para que se possa entender o porquê da minha altivez e rebeldia, que mais adiante serão esmiuçadas.

Sou a filha mais nova de quatro irmãos – um já falecido – e que foi criada sob a égide da religiosidade cristã e do militarismo. Sempre superprotegida por ser a mais nova, a caçulinha da família, não só por meu pai, mas também pelos meus irmãos, tive uma formação escolar amparada pela educação militar. Ou seja, o militarismo extrapolava as fronteiras do meu ambiente familiar. Isso foi o suficiente para adestrar-me socialmente.

Era uma lição diária o que meu pai repetia para mim: eu deveria estudar, trabalhar, não casar e acima de tudo, nunca depender – financeiramente – de homem nenhum. Essa foi a premissa da minha criação até a idade adulta. E assim cresci, com esse lema que transcendia os limites do meu cotidiano. Um cotidiano cercado de subalternidade, submissão e obediência.

(Era bem difícil entender como um homem machista, autoritário, violento por definição, que submetia a minha mãe a uma verdadeira ditadura, podia ao mesmo tempo dizer que eu não deveria lutar para ter o meu e não depender de homem para nada porque “homem não presta”. Mas isso eu já expliquei em outro texto )

Estudei, trabalhei, não casei, e sempre busquei por minha autonomia financeira. Pensar o contrário era reviver tudo que minha mãe passava, e que eu repudiava. Em meio ao instrumental que meu pai se incumbiu de oferecer-me, eu o arguia diante os seus feitos. Ele ensinava aos meus irmãos a tratar com desrespeito as mulheres da rua, a sentar de perna aberta, a não conter sua necessidade fisiológica de urinar e aliviar-se no primeiro poste, a namorar logo cedo para firmar o ethos da masculinidade, ao tempo em que eu deveria ser prendada e recatada, para que ninguém se atrevesse a fazer comigo o que os meus irmãos faziam com as garotas da rua. Tão logo passei a questioná-lo. O sonho então se transformou num pesadelo. A menina obediente criada como um garoto, que não deveria se sujeitar a vontade de quem quer que fosse, agora passaria a questionar sua posição de macho alfa, e não mais aceitaria seus desmandos. A altivez e rebeldia agora tomavam conta de mim de modo tão palpável que se tornava a cada dia assustador.

Onde estava aquela criatura dócil e dedicada que nada questionava? Confesso que a adolescência é uma fase de imenso furor na vida de qualquer ser humano, pois a audácia e a altivez lhe são peculiares e desafiadoras. O que foi fundamental para eu travar um campo de batalha no meu âmbito doméstico-familiar, diante os questionamentos que me cercavam, a vida que levava, os desmandos a que era submetida. Advém daí tamanha rebeldia e altivez. Questionar era (é) para mim fundante em qualquer relação. O direito de questionar me faz ser quem eu sou, e, sobretudo, firma o contrato de uma relação horizontal para que se possa estabelecer um diálogo necessário.

E é por questionar e defender o direito de assim fazê-lo que fui buscando para mim a identidade feminista – ainda que, como já disse acima, eu não reivindicasse o rótulo. O direito de não ponderar a igualdade de gênero perante os indivíduos, o direito de contrapor ideias que têm como premissa a razão e o óbvio da objetividade masculina. O direito de achar estranho e anormal as estatísticas que apontam os elevados níveis de violência contra as mulheres.

Ou seja, lá no auge da minha infância havia uma veia feminista que esbarrava no autoritarismo e na falta de informação necessária às arguições a que hoje disponho. Lá, na minha infância, estava guardado o meu feminismo. Um feminismo que não compreendia bem o sentido e a ordem das coisas, mas que se intrigava com as relações que eram constituídas. Sem saber fazer o devido uso dos argumentos (afinal de contas, eu era uma criança), mas que percebia a estranheza presente nos meandros da relação machista do meu pai para com minha mãe, o que me causava estranheza ver que cabia a minha mãe as tarefas domésticas, enquanto que meu pai dizia que homem não lavava pratos; me causava estranheza quando meu pai inseria meu irmão mais velho na vida sexual do modo mais comum e antigo que os pais se utilizam para assim fazer, ao tempo em que eu, como menina, deveria me preservar e privar, inclusive do casamento, um mal nada necessário.

Foi urgente a necessidade de repensar minha condição perante o mundo, pois foi diante dele que se ergueram as minhas dúvidas mais insurgentes. Foi no meio familiar, escolar, na vida comunitária, no espaço de trabalho que se ergueram meus questionamentos diante o que me era posto.

Quando meu pai dizia que eu, ainda criança, tinha de cuidar dos meus sobrinhos, ao tempo em que para meu irmão não cabia a mesma obrigação. No momento em que, por estudar em colégio militar, devia obediência ao superior pela patente e pelo status de masculinidade. No instante em que sofri meu primeiro assédio, aos treze anos de idade quando estava a caminho da escola. Quando fui por diversas e incontáveis vezes assediada sexual e moralmente no trabalho, por ser mulher, negra e, por conta disso, considerada e tratada como inferior socialmente. Quando, na família, não aceitaram o fato de eu ter estudado e ter sido a primeira a ingressar na faculdade, ter um emprego público e uma estabilidade que me propiciava uma comodidade necessária, ao tempo que meu irmão mais velho não gozava das pequenas benesses que arduamente adquiri (que a meritocracia não seja a medida de todas as coisas, mas neste caso específico, esta muito me serviu). Quando comecei a delinear meus anseios nos meus escritos e fui arbitrariamente questionada sobre a minha formação e vinculação partidária, por acharem que por ser mulher e negra, eu não tinha competência e inteligência necessárias para defender minhas ideias sem o esteio de um diploma ou grupo de militância.

Foi diante tudo isso que julguei mais que necessário o meu posicionamento político frente à sociedade que me relega ao rés do chão que me desampara. Parto da premissa de que assimetria social não se repara com política de governo, e sim de Estado. Uma política de Estado efetiva que se insira nos moldes de uma constituição cidadã, e não de um Estado com prerrogativas legais fundadas no machismo contemporâneo e arcaico, e que veicula a violência contra a mulher como mera estatística; uma violência amparada em números.

Pois, cabe-nos pensar o quão violenta é a permissividade do Estado em não punir com severidade atos infratores de agressão à mulher. Situações de estupro, em que muitas delas, senão todas, são vistas como motivadoras do crime e não como vítimas.

1

A esquizofrenia social nos conforma na ideia de que nós, mulheres, achamos normal e até mesmo comum o fato de uma em cada dez mulheres ser agredida por seu marido/companheiro dentro do seu espaço doméstico, e tal ação ser justificável por se estabelecer aí uma relação conjugal (“em briga de marido e mulher, não se mete a colher”). Ou seja, partilhar um espaço doméstico sustenta a premissa de que a mulher pode sim ser propriedade do homem, e no caso ou eventualidade desta ser cobiçada por outro, a culpa é única e exclusivamente dela que “não se deu ao respeito”.

RESPEITO

Cremos no fato de que os crimes passionais movem-se pela paixão obsessiva, mas não atentamos que esta se firma na lei colonial que fala sobre o crime contra a honra, que dizia que o marido tinha o direito de matar sua esposa em caso de traição por parte desta. Essa era a prerrogativa das Ordenações Filipinas, da época do Brasil Colonial, que perdurou no país até meados da década de 1920. O que mudou de lá pra cá? A conjuntura legal estabeleceu novos parâmetros, no entanto, a configuração social em muito se assemelha.

Sei que diante tal situação houve avanço no sentido de minorar os efeitos da violência contra a mulher. Mas o ganho social ainda é ínfimo diante da tamanha desvantagem na qual nos encontramos.

Não devo aqui desconsiderar todo o esforço investido com ações em prol da igualdade na garantia de direitos entre homens e mulheres, mas ainda estamos muito aquém de algumas questões.

O desserviço prestado em diversos campos da sociedade nos exibe claramente que ainda estamos firmados em contratos sociais que prezam pela assimetria de gênero. E podemos facilmente notar quando adentramos o campo da saúde, pois os índices de violência obstétrica só ratificam que ainda há muito que prosperar.

Deste modo, devo aqui dizer que não reivindico para mim a condição de feminista por modismo ou fetiche. A transversalidade em que o feminismo tem se instaurado perpassa toda a conjuntura que lhe insere num único viés.

As relações de poder instauradas no tecido social reverberam que ainda há muito que se fazer, e toda atividade laboral é extenuante. E como não ser diante de tamanha necessidade de representar o diverso, o que não compõe o padrão?

Não se adequar aos moldes de uma identidade de gênero que zela pela masculinidade heteronormativa, cristã, cis e branca é afrontar os direitos já constituídos de quem o é. Por isso, reafirmo a necessidade de repensar qual paradigma vingamos quando arguimos essa posição como única e formadora de padrões oriundos de um círculo excludente e violento, ensimesmado de razões que solapam o direito à cidadania e o livre pensar quando estamos fora desse padrão.

E mais uma vez ratifico que devemos confrontar todo e qualquer pensamento que nos acomode na qualidade de minoria, no seu sentido semântico. Não somos minoria. Reunamo-vos em prol de uma verdadeira e válida equidade de gênero.

Reafirmemos o compromisso de promover ações que caibam no bojo social vigente, e, sobretudo, assegurem o direito de ser mulher na instância que nos cabe. A mulher que trabalha, que estuda, que é arrimo de família, a que tem marido, a que é mãe solteira, que escolheu não ter filhos, que é cis, trans, hetero ou homoafetiva, que pretende casar, que preza por sua liberdade sexual.

Que não prepondere aqui um estatuto do privilégio, e sim, a garantia de direitos que prezem pela igualdade de gênero, e acima de tudo, se sobreponha aos ditames socialmente postos sobre a mulher.

É pensando nisso que retomo minha condição de feminista.

 

 

 

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 24/01/2016 em Publicações

 

“O dia em que a Terra parou”

Reuniões desmarcadas, contratos de trabalho cancelados, negócios desfeitos, relacionamentos amorosos em crise, amizades estremecidas, compromissos casuais por hora também suspensos. Um simples “bom dia” deixou de ser dado porque o WhatsApp está desativado por 48h no Brasil, em virtude de uma decisão judicial.

Hoje, acordei e, ao ligar meu celular, fui bombardeada com mensagens sugerindo a instalação de outros apps na tentativa de “manter a comunicação”, visto que o “zap” parou. Não sabia se ria ou se tentava discursar filosoficamente sobre a dependência quase química das pessoas a um equipamento tecnológico, e tão recente nas nossas vidas quanto é o celular e todas essas novidades que pululam nas prateleiras das lojas e nos anúncios publicitários todos os dias, enfim.

A “aplicativização” (um caso grosseiro de neologismo) da vida é algo que tem mudado a vida das pessoas. E quando digo “mudado”, estendo a discussão que parte do melhor para o pior sentido que isso possa ter. Quase ninguém mais se dá ao trabalho de procurar nada com paciência. Há aplicativo para tudo: para rastrear correspondências nos correios, para movimentar a conta bancária, para pagar a fatura do cartão de crédito, para medir a frequência cardiorrespiratória durante a corrida noturna, para ver os filmes em cartaz e comprar ingressos de cinema, para jogar xadrez, para identificar chamadas telefônicas feitas a partir de números não gravados na agenda do celular, para ler livros em formato ebook ou epub, para pegar receitas culinárias, para chamar um táxi, para saber quais ruas e avenidas estão congestionadas e quais estão livres. Somados a todos estes (e muitos outros que eu nem sei que existe e para que servem), há aplicativos para quem está na pista à procura de sexo casual e descompromissado e para “fazer amizades” – seja lá o que isso signifique. Aquela história de cuidar do corpo, tomar um banho de uma hora, vestir a lingerie da sacanagem e uma roupa provocantíssima por cima, colocar aquele perfume, dar um trato no cabelo, por uma maquiagem específica de “tô na pista pra negócio” e sair para caçar não existe mais.

A coisa é tamanha que nós não sabemos mais viver sem recorrer a esses benditos aplicativos. Quando um deles (ou todos eles) ficam desativados sabe-se lá por que razão, nós só faltamos rasgar as nossas vestes de desespero. E agora? O que será de mim? Como é que eu vou viver? O que eu vou fazer? E se aquela pessoa que sempre visualiza as minhas mensagens e nunca respondeu a nenhuma delas resolver fazer isso hoje? É o horror, o horror, o fim dos tempos, O APOCALIPSE! Seremos jogadas na fornalha seca, onde haverá fogo e ranger de dentes…

Eu diria até que seria um caso de endogênese digital. Sim, porque a endogênese corresponde à qualidade do que se forma no interior de algo. Ou seja, a endogênese digital prepondera que a qualidade de nossas vidas e por consequência nossas relações estão imersas em sua era digital e nada mais. Funciona como um processo celular – no sentido biológico da palavra – e não digital, do qual trata esse texto, mas a simbiose dos sentidos semânticos ratifica o que quero dizer em ambos os casos. A analogia tem validade. Mas como eu ia dizendo anteriormente, o uso de aplicativos hoje tem tornado a nossa vida um sucesso quando nos confere a capacidade de resolver quase tudo de que precisamos através de um único equipamento, o celular. Ou um fracasso quando nos denota a incrível capacidade que fomos perdendo ao longo do tempo de nos comunicar de modo mais objetivo com as pessoas, em que se constata o efeito sinestésico da vida; dar um oi pessoalmente, cumprimentar com um abraço, sair de casa para ir à pizzaria e voltar para comer a pizza em casa, discar no telefone o número de um táxi no momento de emergência, seja ela boa ou ruim. São ganhos e perdas ao qual estamos condenadas quando ingressamos nessa nova era digital. É o mundo líquido do qual nos fala Zygmunt Bauman.

E não que eu seja saudosista, piegas, ou até mesmo antiquada, mas confesso que sou da época – expressão que denota discretamente que minha geração já está pra lá de ultrapassada – que amigas se comunicavam por cartas. Sim, cartas, e todas manuscritas, é claro. O ato de escrever manuscritamente está quase caindo em desuso, pois, quando me arrisco, tenho a impressão de que vou desenvolver, no mínimo, uma tendinite (lembrei as minhas aulas de biologia sobre a lei do uso e do desuso de Lamarck, que disse que o uso constante causa hipertrofia e o desuso, atrofia). Mas ainda preservo as cartas, todas bem guardadas como símbolo de um tempo que sei, e lamento, não voltará mais. Aquele tempo em que, como disse Karnal, lambíamos muitos selos. Enfim.

 

Essa plasticidade que o mundo tem adquirido de lidar com quase tudo nos torna cada vez mais dependente e menos autônomos de nós mesmos. Esvai-se a capacidade mínima que possuímos de administrar coisas e pessoas num simples toque. A vida digital é assim. Tudo apenas num toque.

Mas não o toque singelo de dois indivíduos. É o toque que reconhece nossas impressões digitais e nos concede o acesso a um mundo inteiramente feito e comandado por códigos binários que se alternam na composição dos signos digitais. O biopoder foucaultiano.

O binarismo na era digital é o logos que rege toda sua dinâmica sensorial. O que na vida moderna é de uso único e exclusivo dos equipamentos. Ou seja, estamos fadados ao fracasso de sermos binários. O que em poucas palavras define-se em ser bom ou ruim, feio ou belo, doce ou amargo. A extensão da vida nos permite sermos muitos mais que isso. A vida nos deixa extenuantes de sensações e sentidos que extrapolam o limite do maniqueísmo. Não, não somos. Ainda que o mundo queira estabelecer esse muro simbólico, a fim de desafiar ou conformar os significados do caráter do ser humano, não somos interligados por efeito binário. E que bom.

Mas para além do binarismo tecnológico, o que aqui se faz redundante, mas necessária à compreensão por parte de quem os está lendo, desmoronamos numa cascata digital que determina desde o tipo de pessoa com a qual devemos nos envolver afetivamente, até ao que podemos antropofagicamente consumir: comida, bebida, leitura, estilo de roupa, tudo que se adeque para o nosso bem-estar social. Tão logo, isso envolve o ethos. A formação da nossa moral e caráter agora totalmente dependentes da era digital.

Percebamos o quão isso nos torna frágil diante um mundo que nos controla, nos vigia e nos cerceia tal qual um tribunal. Um mundo que ao lhe conferir acesso a essa rede de conexão mundial estabelece qual estilo de vida devemos adotar. Num modo bem otimista de pensar, estamos todas, infinitamente todas, sendo monitoradas e controladas pelo Big Brother tal qual foi concebido por George Orwell no livro 1984. Foi o que esse mundo se tornou, fonte de informações, notícias e dados que nos vincula a um único lugar, o WhatsApp. E aqui nos vemos presos a essa teia que nos limita a cada instante de ser quem somos, seres humanos.

E voltando ao título do texto, O dia em que a Terra parou, foi um sábio presságio feito por Raul Seixas, o eterno Maluco Beleza, a tudo que estamos passando hoje.

 

P.S. Abaixo segue um vídeo que é um comercial de um banco. Abrindo a ressalva de que não estou aqui fazendo propaganda gratuita, muito menos tentando alavancar seu índice de visualizações, e por consequência, ajudar a promover a imagem de um dos bancos que mais injetou dinheiro no período da ditadura civil-militar no Brasil (leiam o livro 1964: a conquista do Estado, escrito por René Dreifuss para entender o que eu estou falando). O que julguei interessante foi a mensagem transmitida no comercial, e que aqui se faz perfeitamente cabível ao que discorri no texto.

 

 

 

 

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 17/12/2015 em Publicações

 

De repente, 30

Semana passada, completei 33 anos, a idade de Cristo, mas penso que seja a idade de Cristo crucificado, morto e amordaçado. Logo explico.

Quando completei 30 anos, todo um conjunto de fatores se aglomerou e parece que o peso do mundo recaiu sobre mim. Sabe aquele lance de sentir o peso dos 30? Foi bem isso que senti, ou melhor, ainda sinto. É simples: constatei que passava mais tempo fora de casa, trabalhava em excesso, tantos finais de semana perdidos estudando. São tantas atribuições, que temos de correr mais do que a velocidade da luz pra dar conta. Acho que nem na época de colegial eu estudava tanto.

2

E o saldo de tudo isso foi distanciamento dos amigos queridos e reuniões familiares, noites mal dormidas, horas do dia passadas sem uma refeição digna, esgotamento físico, cansaço e stress.

O engraçado é que tenho uma lembrança saudosa da minha infância. Sabe aquele poema que diz: “Ai, que saudade que tenho/Da aurora da minha vida/Da minha infância querida/Que os anos não trazem mais”? Pois bem, remete a uma infância doce e despreocupada. Era um tempo áureo, sem preocupações, sem tensões e responsabilidades. Minha única demanda era ir à escola e fazer os deveres. De resto, era brincar de bate-lata, elástico, boneca (tive várias), casinha (a ênfase às prendas domésticas ainda na infância), sete pedrinhas, pique-esconde, salada de fruta, vôlei, futebol (sim, eu joguei futebol no campinho até os quinze anos de idade). Como toda criança saudável, eu tinha disposição de sobra para correr o dia todo e não me sentir cansada. Eu até gostava de praticar esportes. Fiz vôlei, basquete e judô até os dezesseis anos.

1

Um traço que faz parte da infância de qualquer pessoa era o de comer besteira sem limite: doces, guloseimas, frituras, salgados. Eu até trocava um prato de arroz e feijão em casa por um pastel frito pingando óleo na porta da escola.

E o bom disso tudo é que, naquela época, eu não sentia absolutamente nada, a não ser cãibra ou “dor de facão” quando corria demais.

Pois é, esse tempo já se foi faz tempo. Cresci – e que bom por isso. Afinal de contas, a gente aprende na escola que todo ser vivo nasce, cresce, se reproduz e morre. Fora essa parte de se reproduzir, o resto tá seguindo a sequência.

Mas é de outra coisa que pretendo falar. Não vim aqui discorrer sobre a “aurora da minha vida” pura e simplesmente. Mas, sim, evidenciar as mudanças que ocorrem nas nossas vidas depois que completamos 30 anos.

São várias as mudanças, já que somos teoricamente pessoas adultas e responsáveis. Enfim. Quando completei 30 anos, já não tinha mais a mesma disposição de outrora, o que parece óbvio, tendo em vista que os anos se passaram.

Mas o que quero dizer é o seguinte: ao me deparar com o espelho enxerguei uma balzaquiana cheia de coisas. Coisas que até os 29 anos – a fase dos “vinte e poucos anos” – não eram tão evidentes.

Aquela farra toda da infância não era mais permitida, já que tão cedo constatei que estava com alguns probleminhas de saúde que juntos formaram um conglomerado a ponto de eu me sentir um Zé Meningite, parafraseando o samba da Banda Revelação. Eu tinha de tudo um pouco. Fui diagnosticada com gastrite, h-pylore, refluxo (“o pulso ainda pulsa…”). Daí, já não podia mais me esbaldar na comilança como antes. Guloseimas, nem pensar! Pois além disso tudo, com o peso da idade poderia acarrear colesterol alto, triglicérides alterado e o escambau.  Me submeti a uma cirurgia, em 2011, para retirada de um tumor que até então não havia se manifestado nem apresentado sintomas. Foi um choque na minha vida. Eu estava no auge da faculdade, fazendo várias formações, trabalhando à beça e me recusei a dar um repouso ao corpo cansado. Quando menos esperei, descobri que estava com lombalgia que anunciava uma hérnia de disco. Tive de fazer uma atividade para amenizar as dores, e me debrucei no pilates já que estava tão sedentária e a disposição deixada na infância havia esmorecido – hoje, eu não gosto de praticar esporte. Desenvolvi alergias para além das que já tinha. Eu, hoje, tenho alergia a sabonete e hidratante comuns. Isso mesmo, parece loucura. Eu também achei quando fui informada. Mas não podia mais tomar banho com sabonete comum nem usar um hidratante desses perfumados que tem por aí, pois ao longo dos anos minha pele estava ficando esgarçada de tanto ressecamento. Agora, é cuidado extremo com sabonete de “nhenhém” e creme hipoalergênico. Isso sem contar que há alguns longos anos eu tenho de fazer uso diário de protetor labial (não só para ir à praia. É no sol, na chuva e no casamento da viúva) e repelente. Isso é sério! Repelente é uma coisa que as pessoas só usam quando vão fazer trilha, vão passar férias no campo ou na praia. Pra mim, é uso diário. Tenho uma alergia a inseto horrível, que nem eu mesmo suporto. Já tive crises a ponto de tomar injeções de benzetacil. Tem um bichinho tão pequenino e tão vil chamado maruim que, apesar de ser tão pequeno, menor que piolho, provoca um estrago enorme nas minhas pernas.

3

Ahhh, ainda tem a bendita rinite alérgica. Essa não me larga. Acho que eu e metade da população do planeta sofremos desse troço.

Pense que ainda jovem eu não podia ficar perto de tapetes, urso de pelúcia, desodorizadores de ambiente – esse último, tenho verdadeiro pavor por conta de uma irritação que tive em casa quando minha irmã resolveu deixar a casa perfumada. Outra vez, lembro-me de uma situação na escola que eu e um grupo de colegas faríamos uma encenação d’Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões, e uma colega da turma conseguiu o figurino, aquelas roupas de época. Pois bem, as roupas estavam fétidas de tanto mofo, que tive uma crise alérgica na escola mesmo.

A situação é, de fato, periclitante.

Outro dia, resolvi visitar a sogra e fui arrumar a mochila para passar apenas uma noite. Quando dei por conta, na nécessaire, ao invés de colônia, desodorante, escova de dente, havia protetor labial, repelente, hidratante hipoalergênico, spray nasal e comprimidos para rinite. Um inferno de Dante. Era só uma noite, mas parecia que eu ia fazer trilha no Vale do Capão – que Deus me livre dessa hora, pois sou sedentária e suficientemente alérgica para querer passar longe daquele lugar.

É isso que acontece depois dos trinta. Sabe aquela sensação de quando estica o braço e algo estala? Não é crocância por gostosura. Na juventude, isso é só um mau jeito. Depois dos 30, minha amiga, corre e vai ao ortopedista porque pode ser uma bursite, um bico de papagaio ou coisa do tipo. Aquela queimação depois de comer de montão? Quando jovem, é só uma azia, que nós curamos com um antiácido ou chá de boldo. Na minha idade, virou refluxo. Aquele mau jeito na coluna após uma noite mal dormida se transforma numa lombalgia miserável, que dá numa hérnia de disco.

Pensam que exagero? É tudo isso e mais um pouco que só senti depois dos 30.

Além do mais, antes dos 30, tudo é permitido. A irresponsabilidade de ser jovem é permissiva até os 29. Nos 30, seu pai te põe pra fora de casa se não tem um emprego, as responsabilidades que antes não existiam agora pululam no colo. Se você tem um bom emprego, que ótimo. Se não, é um delinquente. Se tem casa, carro e estabilidade, que maravilha, é o filho querido. Do contrário, é um parasita desolado. Se já entrou e saiu da faculdade e quer fazer carreira profissional, é sensato. Se não, não quer nada com a “hora do Brasil”. Aos 18, a gente faz teste vocacional para saber qual rumo profissional seguir. Aos 30, acabou-se, é crise existencial minha “cumadi”. Tu achas que alguém vai oportunar um teste vocacional pr’um marmanjo de 30? Que nada, vai dizer que tá é com crise, ou no mínimo, “discaração”, treta para não trabalhar. Daí, começam as sessões, pois pra suportar tanta responsabilidade e cobrança só fazendo terapia.

Falo sério, sei que isso parece mais uma paródia desolada, mas é a mais pura verdade. Ainda dizem que nossa expectativa de vida está aumentando ao longo do tempo. Não sei pra quem! Já que, pra mim, aos 30 tá tudo de bom tamanho.

No meu caso então, mulher com mais de trinta, a idade de ter filhos já passou. A sociedade só falta me colocar um selo de infértil por ainda não ter tido filhos. E como a prioridade de boa parte das mulheres, e também a minha, tem sido ter um emprego, sucesso e estabilidade profissional, a maternidade vai ficando cada vez mais longínqua, quase inexistente. Pois, a médio prazo, penso que daqui há uns, quem sabe, oito anos, eu pense em ter filhos. Fazendo o cálculo, estarei com 41 anos – uma mulher de quarenta. Agora, pense: tamanha insanidade minha cogitar que posso ser mãe nessa idade já não tendo disposição agora. Subir cada lance de escada hoje é quase meia maratona, imagine daqui há algum tempo! E com filhos correndo pela sala? Loucura, loucura, loucura. Melhor esquecer.

4

É isso que essa vida louca nos faz. Acaba com nosso bom humor, bom senso e tudo mais que a gente pode ter de bom. Ao longo dos anos, a constatação de que estamos mais vulneráveis e suscetíveis se faz cada vez mais iminente e assustadora. Eu, que já não tenho mais a singeleza da tenra idade, me dedico a tentar preservar com cautela o espectro de uma vida que nos aponta como saudável.

 
3 Comentários

Publicado por em 23/07/2015 em Publicações

 

A autonomia da mulher que se toca

Depois de um longo jejum literário, volto a escrever. Confesso que também estava sentindo falta dos meus escritos, mas os acontecimentos cotidianos me acometeram à suspensão da escrita por um tempo que nem eu sabia se era ou não indeterminado. Mas, estou aqui de volta e cheia de ideias prontas para serem transcritas.

E venho para falar sobre a autonomia da mulher que se toca. Poderia falar sobre diversas coisas, mas é que no último fim de semana andei pensando muito sobre essa questão: o medo intimidador que os homens têm da mulher autônoma. Mas não é tão-somente a mulher autônoma profissionalmente. Porque a mulher que é autônoma profissionalmente tende a estender essa autonomia para outros campos da vida além deste. E é aí que as coisas ficam mais “assustadoras”.

Vemos recorrentemente o achincalhamento social que as mulheres que defendem sua liberdade sexual sofrem. Numa sociedade machista, sexista, misógina e lesbofóbica como a nossa, ainda que anormal, isso é muito comum, o que não consente que naturalizemos os fatos.

Pois bem, foi pensando nesse medo intimidador que os homens ainda têm da mulher autônoma que resolvi discorrer vagas linhas na tentativa de entender um pouco do que se sucede.

A mulher que se toca é dona de si em todos os campos e aspectos possíveis em que essa discussão possa se estender. Pois, a mulher que se toca conhece seu corpo, suas sensações, seus desejos mais íntimos, suas vontades imediatas e as longevas, e, assim, ela coordena todo o jogo de movimento que possa envolver seu corpo numa relação afetivo-sexual. Porque a mulher que conhece seu próprio corpo não aceita nem admite ser puro objeto de foda do outro. Essa mulher quer o prazer no ponto mais extremo que se possa alcançar; ela busca o ápice do gozo no mais simples toque; e, para isso, exige que o homem seja competente na hora H e não priorize somente a sua satisfação pessoal.

1

 

E essa mesma mulher, por ter autonomia sobre seu corpo, ao afirmar quem ela quer para si, e como ela quer ser tocada, é a mesma quem diz agora como serão dados os outros encaminhamentos na sua vida.

O ponto crucial da repressão feminina se encontra principalmente no campo sexual – é por isso que quase todos os xingamentos dirigidos às mulheres atacam a sua sexualidade, ainda que a sexualidade nada tenha a ver com a conduta reprovável desta ou daquela mulher: “puta”, “vagabunda”, “piranha”, “biscate”, “vadia”, “descarada”, “rodada”… Por isso, a distinção entre “putas” e “santas”. A mulher que é feita “pra casar” – a que deve conservar-se pura, e assim resguardar-se para o marido – se distingue completamente da “pra se divertir” – aquela que é feita para o usufruto do macho alfa no afã do seu impulso animalesco de afirmação da sua masculinidade como padrão heteronormativo.

Desfeita essa repressão no imaginário de uma mulher, ela passa a ser considerada um perigo social. Pois, se ela diz com quem e de que modo quer se envolver afetiva e sexualmente, ela passa a afirmar que não precisa da interferência masculina no seu espaço doméstico. Ou seja, não precisa de um homem para chamar de seu. Essa mulher pode seguir sozinha sem construir um enlace afetivo para dar conta da responsabilidade social que é ter um marido, namorado, companheiro ou qualquer outra coisa de igual significado. Sendo assim, esta mesma mulher não quererá mais depender de um homem financeiramente. Já que ela se toca, conhece o próprio corpo, escolhe como fazer sexo e obter prazer, ela escolhe que tipo de homem terá pra si, e, no desenrolar, sua autonomia sexual agora se estende para outros campos de sua vida para além do sexo. E é justamente aí que mora o perigo, segundo dizem.

2.2

Uma mulher que não precisa de um homem para trocar a lâmpada de casa não necessariamente é a mesma que se toca, mas o inverso é procedente. Tudo isso porque o universo social em que estamos inseridas ainda é eivado de razões e concretudes que esbanjam repressão social contra a mulher.

A mulher que se toca, porém, é a mesma que dispensa um homem na compra do supermercado, é a mesma que sai para trabalhar e volta pra casa toda cheia de si, por considerar o feito um grande ato libertador de tudo que possa lhe aprisionar como pessoa feminina que é. É a mesma que sai em busca do sucesso profissional por acreditar que isso é possível, e que suas capacidades estão além do preparo de um empadão de frango no almoço de família no domingo. Ou seja, essa mulher é a que tem ganhado espaço e notoriedade, ainda que num processo moroso socialmente.

E é justamente aí que se encontra seu poder intimidador. Que não é proposital, mas necessário, tendo em vista as razões que lhe acometem a viver substancialmente numa sociedade que solapa seus direitos mais elementares.

Então, eu, na certeza de que garantias de direitos equitativos socialmente é louvável e para todas, digo: mulheres, se toquem! Esbanjem sua sensualidade no ato de conhecer a si mesma, proporcionem-se prazer no mais íntimo dos íntimos momentos somente seus. Abracem-se, envolvam-se em seus braços, nos braços de outrem, que esse outrem seja um homem ou uma mulher. Sintam o mais profundo desejo de atingirem a completude sinestésica do seu próprio corpo num toque. Sejam donas de si, do próprio corpo, de suas vidas sem a mediação ou consentimento do outro.

Sejam felizes.

 

 
5 Comentários

Publicado por em 14/04/2015 em Publicações

 

ENEM e o racismo perverso da educação brasileira

ENEM 2014

CADERNO DE PROVA AZUL

QUESTÃO 21___________________________________________________________

Estatuto da Frente Negra Brasileira (FNB)

Art. 1º Fica fundada nesta cidade de São Paulo, para se irradiar por todo o Brasil, a Frente Negra Brasileira, união política e social da Gente Negra Nacional, para a afirmação dos direitos históricos da mesma, em virtude da sua atividade material e moral no passado e para reivindicação de seus direitos sociais e políticos, atuais, na Comunhão Brasileira.

Diário Oficial do Estado de São Paulo, 4 nov. 1931.

 

Quando foi fechada pela ditadura do Estado Novo, em 1937, a FNB caracterizava-se como uma organização

  1. Política, engajada na luta por direitos sociais para a população negra no Brasil.
  2. Beneficente, dedicada ao auxílio dos negros pobres brasileiros depois da abolição.
  3. Paramilitar, voltada para o alistamento de negros na luta contra as oligarquias regionais.
  4. Democrático-liberal, envolvida na Revolução Constitucionalista conduzida a partir de São Paulo.
  5. Internacionalista, ligada à exaltação da identidade das populações africanas em situação de diáspora.

 

Hoje pela manhã, ao acordar, soube que a prova do ENEM deste ano trouxe uma questão que abordava a Frente Negra Brasileira (FNB). Tive imediato arrepio, por ter inicialmente pensado que as coisas estão de fato mudando a nosso favor a ponto de a FNB estar presente na prova. Entretanto, logo após veio uma tremenda sensação de fúria contra a instituição organizadora da prova, o INEP. Foi um misto de sensações que foi do êxtase de alegria à revolta destemida por conta da sacanagem que o INEP fez ao por na prova uma questão com esse teor.

Poderia dizer que, no auge das boas intenções, o órgão tendenciosamente está cuidando do legado deixado pela Frente no momento em que sua história é contada e abordada numa questão de prova dessa magnitude. Afinal de contas, a 11.645/08 (veja aqui) está aí pra quem quiser apreciar, e falar sobre a FNB nada mais é do que tornar fidedigna a abordagem sobre a temática que trata da cultura afrobrasileira. Sim, muito válido.

Mas a questão não é essa. Explico: a Lei 10.639/03 fora implantada em 09 de janeiro de 2003, há exatos 11 anos e 10 meses. Cinco anos após sua promulgação, ela foi aperfeiçoada e transformada na 11.645/08 para englobar a temática sobre cultura indígena na educação brasileira. Ponto.

A lei foi promulgada, aperfeiçoada cinco anos depois, mas o mesmo Estado que a elaborou, aprovou e sancionou não se preocupou em criar mecanismos para exigir o cumprimento e a aplicabilidade da referida lei. Não foram gerados instrumentos de controle para que se fosse cobrada a aplicação da lei nos espaços educativos de todo o país. Os mecanismos existentes ainda são ineficientes quando se trata do assunto. Ainda que a produção acadêmica e de materiais educativos tenha tido um crescimento vertiginoso em referência ao período anterior à lei, isso não significa um avanço no campo de ações implementadas, de modo a contemplar os estudantes da educação básica com o acesso a tal.

E quando falo de sua aplicabilidade legal, não me remeto aos eventos promovidos no mês de novembro nas escolas, que correspondem ao Novembro Negro, que doravante se prestam a compor fantoche das secretarias estaduais e municipais de educação no país, pois esta não é uma política compensatória, e sim educacional, como todas as outras que constam na LDBEN/96. E como positivamente estamos avançando na garantia de cotas, penso que o mês de novembro não seja mais uma cota, no qual só fale de preto nesse período por conta do sentido simbólico que lhe fora atribuído, muito menos pelas comemorações que lhe são feitas. Não deixo aqui nenhum ar de pretenso sarcasmo ou tom pejorativo, por não caber, e pelo compromisso que tenho com a política.

Tão logo, devo enfatizar que ainda que tenha sido promulgada uma lei que garanta que seja inserido no sistema educacional brasileiro todo o legado histórico e cultural da população afrobrasileira e indígena, na prática isso não chega a ser notório. E não sou eu quem digo.

No ano passado, quando se completaram dez anos de implantação da Lei 10.639/03, alguns especialistas se debruçaram na análise do que fora feito até então sobre a lei. Uma espécie de recorte que tratasse do que vinha sendo feito até então. E o cenário não foi nada animador. O que não era nenhuma novidade para quem vive na prática a experiência da grande recusa por parte das instituições e docentes em aplicar a lei, lecionar o conhecimento proposto, bem como cuidar de garantir a diversidade no ensino básico do país, e desfazer o eurocentrismo propedêutico presente nos livros didáticos. Desvelar o racismo presente no sistema de educação nacional. Pois como disse o antropólogo, professor emérito da Universidade de São Paulo e pesquisador-visitante sênior da Universidade Federal do Recôncavo Baiano, Kabengele Munanga, a educação colabora para a perpetuação do racismo (veja aqui).

E para ratificar a afirmação acima trago o texto de Dennis de Oliveira, professor da Universidade de São Paulo (USP), coordenador do Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (CELACC), membro do Núcleo de Pesquisas e Estudos Interdisciplinares sobre o Negro Brasileiro (NEINB), e colunista da Revista Fórum. O acadêmico traça com maestria um balanço sobre a Lei 10.639/03, tudo que não foi alcançado após sua promulgação.

Diante do exposto, julgo mais que incoerente a atitude do INEP de lançar uma questão num exame nacional sobre um assunto que não é tratado nas escolas. Nem na melhor das hipóteses ou intenções – com a óbvia exceção dos cursinhos pré-vestibulares populares, que, como diz Oliveira no artigo acima citado, cumprem um papel importante e louvável na aplicação da lei, mas não atacam o cerne do problema uma vez que se trata de ações marcadas pelo voluntarismo. Enquanto o Ministério da Educação não assumir a sua responsabilidade no desmantelamento do racismo institucional na estruturação das políticas educacionais brasileiras, a aplicação da lei pouco avançará.

O que os órgãos federais de educação têm feito não passa de um boicote afrontoso à educação, em especial a pública, do país. Pois o descaso que é dispensado à aplicação da lei, bem como os instrumentos avaliativos, não exercem seu papel executivo.

Ou seja, vejam como funciona; uma lei é promulgada para garantir o ensino de História da África, cultura africana e afrobrasileira no currículo da educação básica, que logo após é modificada para contemplar a temática indígena, de 10.639/03 passa a ser 11.645/08. O caput dessa lei altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). Não são criados marcos regulatórios que cobrem sua execução, toda prática parte de um ato voluntário e individual (mais adiante falarei da minha trajetória nesse sentido) de um e apenas um indivíduo simpático aos ditos da lei, que se propõe a um esforço próprio, hercúleo e exaustivo de pô-la em prática no cotidiano escolar. E ainda assim, os órgãos tratam de cobrar em exames de esfera nacional algo que promulga e não se aplica.

Verifica-se o que disse Jane Elliott no documentário Olhos Azuis: o racismo impede que um determinado grupo de pessoas tenha acesso a determinados conhecimentos, e depois essas pessoas são obrigadas a responder uma questão sobre algo que foi impedida de aprender. É por isso que o já citado professor Kabengele Munanga disse que o nosso racismo é um crime perfeito.

Tem-se posto aqui o objetivo central de todo processo seletivo: a exclusão. Quando a questão foi lançada na prova o objetivo não foi trazer à tona o marco legal da 10.639/03, e sim subnotificar o ato falho que é a educação brasileira. A concepção do sistema educacional no Brasil parte de um pressuposto de que este se sustenta em ações individuais e estanques, e isso só se perpetua.

É peremptório o modo como o arcabouço educacional brasileiro se sustenta, pois trata de forma excludente o alvo das metas que propõe: o corpo discente. A estrutura organizacional toda é concebida de modo a minar a educação do país.

É possível verificar a gênese do epistemicídio educacional brasileiro com relação à temática racial já no processo de formação docente. Os currículos dos cursos de licenciatura e o de pedagogia não estão restritos à obrigatoriedade do ensino da Lei 11.645/08. Deste modo, não há um caráter obrigatório de os conteúdos sobre ensino de História da África e cultura afrobrasileira atingirem esse nível de ensino. E já que não há obrigatoriedade, a deficiência na formação de professores se desdobra mais adiante, na educação básica, o campo de atuação desses profissionais. Sem acesso ao ensino sobre cultura afrobrasileira e africana, o desconhecimento diante ao que é cobrado nos exames é mais que natural. Perceberam a sacanagem na prova?

A lei 10.639/03 atinge meramente o ensino público, já sucateado, e por alguns simpáticos e engajados com a luta antirracista no país. Os chamados “militantes sem causa”, já que não existe racismo no Brasil.

A esfera privada ignora solenemente o marco legal da LDBEN/96, que versa sobre. No ensino superior, seja este público ou privado, como dito anteriormente, isso não se faz obrigatório. Como compensação, núcleos de pesquisa e cultura afrobrasileira e da diáspora formado por aqueles mesmo simpáticos da luta antirracista organizam laboriosamente formações em nível de extensão para suprir o desfalque dado na formação de profissionais docentes.

Mais uma vez e sempre, a lei tem se garantido da intencionalidade de poucos que asseguram de modo isolado suas ações.

 

  *          *          *

 

Ao longo do texto comentei sobre as ações individuais de implementação da Lei 10.639/03 e a dificuldade de executar a lei nos espaços escolares. Pois bem, como já disse em alguns textos que publiquei aqui, tenho formação em Pedagogia, pela Universidade Federal da Bahia. Ao longo da minha graduação, senti a necessidade me aproximar das discussões sobre o ensino de História da África e cultura afrobrasileira.

Tive uma formação esvaziada nesse sentido, pois o currículo do curso de Pedagogia da Faculdade de Educação da UFBA não contempla nenhum componente curricular com temáticas dessa seara. A matriz curricular do curso não é só deficiente como decisiva para o não debate desses assuntos na sua plenitude acadêmica, e isso se vê (aqui), no quadro curricular do curso. Tão logo, como desenvolvi um interesse pessoal e profissional pelo tema, resolvi sair em busca de algo que pudesse agregar à minha formação docente.

No decorrer da formação em Pedagogia, tive de conciliar a formação pedagógica eurocêntrica que preza por Piaget, Vygotsky, Wallon, Skinner, dentre outros – sem nenhum demérito ao trabalho destes – com a formação voltada para o ensino da cultura africana e afrobrasileira. Para tanto, tive de me aproximar de autores e autoras como Elikia M’Bokolo, Kwame Anthony Appiah, Stuart Hall, Ana Maria Gonçalves, Eliane Cavalleiro, Consuelo Dores Silva, Ana Célia da Silva, Marcus Vinícius Fonseca, Henrique Cunha Jr. e João José Reis, dentre outras. Fui buscar este último nos núcleos – aqueles pensados e organizados por militantes da luta antirracista – de algumas universidades públicas brasileiras.

O labor em unir duas formações, quando na verdade eu deveria ter ambas acopladas numa só, foi significativo para a proposta que dei à minha formação como profissional docente. Mas devo ressaltar que isso não deve, ou pelo menos não deveria, ser uma ação individual e exclusivamente minha. Desde quando há uma base legal para isso, a garantia ao acesso torna-se primordial.

Tive a ajuda de profissionais docentes que encampam a luta antirracista, militantes do Movimento Negro, e acadêmicos que resistem na luta e prezam pela garantia do ensino da 10.

O Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), o Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira da Universidade Federal Fluminense (PENESB-UFF) e o Programa de pesquisa e formação em relações raciais, cultura e identidade negra na Bahia – Brasil (A Cor da Bahia) da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH) da UFBA (foi para todos esses lugares que tive de me deslocar, tanto física como ciberneticamente, já que a Faculdade de Educação não deu conta dessa demanda) colaboraram no meu processo formativo. Nessas instituições realizei algumas formações em nível de extensão para entender as demandas que se sucedem com a Lei 11.645/08.

Digerir os conteúdos foi algo surreal a quem não tinha a menor aproximação com o tema, absolutamente nenhuma referência de como pensar sobre essas coisas e jamais tinha visto nada sobre durante toda a vida escolar. Entender a cartografia do continente africano foi tão sofrível quanto compreender os meandros do raciocínio simbólico de Foucault e Arendt.  E a título de ilustração relembro uma atividade de um curso que realizava pela UDESC, na qual tinha de entender a cartografia do continente africano e situar-me geograficamente na África Ocidental do Popó Grande, Popó Pequeno, Fernando Pó, Agudá, Porto Novo e tantos outros nomes estranhos pra mim. Minha capacidade de abstração para digerir essa gama de informações havia desaparecido pelos instantes que me consumiam. Entender de cartografia, compreender a leitura, e visualizar no Google Maps tudo que o texto trazia era algo que eu não tinha o menor domínio. Eu olhava, olhava, olhava e não conseguia entender nada daquilo.

Criar aproximação não foi tarefa das mais fáceis, mas era isso que pretendia e estava destinada, já que prezava por uma educação diferenciada dos moldes eurocêntricos a que estive subjugada.

Desfazer-se das amarras conceituais que a Pedagogia me moldava provocava tamanho estranhamento, inclusive, aos demais profissionais de licenciatura, que não entendiam o porquê d’eu relacionar esses estudos à minha área. Era como se eu estivesse adentrando um espaço reservado somente aos profissionais de História, Antropologia, Filosofia.

Prossegui nas formações, concluí o curso de Pedagogia, com a certeza iminente de que ainda terei de traçar um longo caminho caso queira dar continuidade ao que comecei lá no início. E para isso, realizo uma especialização na área de educação e relações raciais. Ou seja, estou dando prosseguimento ao que me propus.

Mas reitero que essa não deve ser uma tarefa individual. Pois o interesse, o cuidado com a formação, e o zelo pelo serviço que se presta deve emanar ainda no processo formativo dos profissionais de educação, para que posteriormente seja ofertado e cobrado dos discentes.

Eu certamente não teria dificuldade alguma em responder a questão do ENEM sobre a FN, pois me propus ao desafio de realizar um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) no qual inclinei uma parte de um capítulo a falar sobre o trabalho que a Frente desenvolveu no cenário sociopolítico e educacional. Tão logo, não me causaria estranheza alguma responder a assertiva. Mas para realizar tal façanha, recolhi nas formações que realizei ao longo do caminho conteúdo necessário à compreensão do assunto. Me aproximei de acadêmicos que entendiam do assunto. Além disso, não estamos falando de mim, uma pessoa que já tem uma graduação concluída e fez um TCC sobre a FN e outras instituições. Estamos falando de estudantes que acabaram de sair, e que, em alguns casos, ainda estão, no ensino médio. Essas informações também devem estar acessíveis a quem está nessa fase dos estudos.

Aqui está mais uma mostra de um ato voluntário e individual que abordei aqui. Mas isso não se estende ao que os organizadores do exame fizeram quando da proposição da questão. Para além da ação de cada indivíduo, a aplicação da lei deve ser cobrada com mostras de resultados pela sua execução. Caso contrário, o resumo da ópera será sempre esta: cada um no seu quadrado externando o mar de ações e conteúdos programáticos numa luta solitária e extenuante que é a educação no Brasil.

Como disse o advogado e professor de Direito Samuel Vida, quando o assunto é luta política, a melhor forma de garantir que nada será feito é a aprovação de uma lei, pois dá a falsa sensação de vitória.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 12/11/2014 em Publicações

 

Meritocracia ou mentirocracia?

Minha mãe e meu pai sempre cuidaram para que eu tivesse acesso à educação. Eu estudei em escola privada até a antiga 5ª série (atual 6º ano). Depois, ingressei no Colégio da Policia Militar do Estado da Bahia. E só a título de curiosidade, escolas militares, federais e de ensino técnico/tecnológico estão entre as melhores na qualidade de ensino público do país. Para ingressar no CPM, no ano de 1995, tive de fazer um teste de admissão em 1994. Ou seja, a escola selecionava seu público já na porta de entrada, dizendo quem podia ou não adentrar. Eu era a única da rua a estudar numa escola desse porte. Saí de lá em 2001, quando concluí o Ensino Médio.

2

Passado um tempo, eu me esforcei para entrar na faculdade. Fiz cursinho pré-vestibular em 2008, e, em 2009, ingressei no curso de Pedagogia da Universidade Federal da Bahia. De cara, na primeira tentativa. Saí de lá em fevereiro deste ano, 2014, e já ingressei em outra universidade pública federal (UFF – Universidade Federal Fluminense). Tive mais uma vez a oportunidade de estudar na melhor universidade pública do meu estado, ao tempo que alguns poucos amigos estavam em faculdades privadas se esfolando para pagar a mensalidade e vivendo do subemprego por garantia.

3

Sou servidora pública pelo município de Salvador desde 2007. No fim do mês, o meu tá na conta. Faça chuva ou faça sol. Não preciso ficar me tremendo todo fim de temporada à espera de um corte de pessoal, para que eu volte a ficar de pires na mão sobrevivendo do seguro-desemprego assim como muitos dos meus amigos e conhecidos vivem hoje.

E apesar de tudo isso, eu ainda penso que o resto do mundo tem que se esforçar para ter acesso a uma educação pública de qualidade, igual a que eu tive, estudando em escola e universidade públicas de excelência. Caso o contrário não passarão de uma corja de preguiçosos que ficam à espreita de mixaria de governo, quando na verdade deveriam ir à luta e batalhar para ter o seu.

A igualdade de oportunidades nesse país meritocrático ainda se organiza num processo moroso, e que demanda uma série de políticas que visam minimizar os efeitos das assimetrias sociorraciais escamoteadas no tecido da nossa sociedade.

1

É um ultraje pensar que minha vizinha, meu primo, o amigo de meu irmão, o coleguinha do prédio não têm acesso a uma educação pública de qualidade que segue da educação básica ao ensino superior por preguiça ou descaso. Eles bem que poderiam estudar numa escola boa, não o fazem porque não querem.

É um acinte depositar toda credibilidade nas esferas de poder que minoram os efeitos catastróficos da miséria em que vivemos, e nos convence que somos fracassadas.

Ser contra as políticas sociais que dão conta de nos manter longe dos extremos da pobreza é pensar que o privilégio que lhe contempla é só seu e de mais ninguém, e alguns simplesmente não os têm por não merecê-lo.

Eu entendo que educação de qualidade deveria ser para todas. Deveriam existir universidades públicas que pudessem abrigar um contingente volumoso que vive à margem de tudo: saúde, educação, moradia, emprego, lazer e tantas outras coisas.

Mas não é assim que funciona. E por não ser assim que eu não devo pensar que o que é meu é porque conquistei com muito labor, e o resto do mundo que se f…….

Afinal de contas, não basta querer ter algo. É preciso ter condições para buscar o que quer. Não dá para pensar em virar astronauta sem saber física. Não dá para pensar em virar atleta de alto rendimento sem ter comida na mesa, material de qualidade para treinar e patrocínio para viajar e dedicar-se exclusivamente à prática esportiva. Não dá para pensar em virar ministra do Supremo Tribunal Federal sem ter sido ao menos alfabetizada.

Devo reconhecer que, no quesito educação, fui privilegiada. Mas é pouco. Eu quero ver muitas de mim ocupando as universidades públicas, e preterindo esses lixões maquiados de faculdades privadas que só reproduzem massa de manobra para o subemprego.

Quero ver gente minha na UFBA, UNEB, UFOB, UFRB, UESB, UEFS e tantas outras. Quero ocupar os espaços de poder que me são negados a todo o tempo, porque simplesmente “eu não me esforço”.

Quero pensar na possibilidade viável de ter mais médicos, advogados, fisioterapeutas, engenheiras, arquitetas, todos oriundos das classes baixas deste país. A faxineira de lá de casa deixou de lavar minha privada porque quis entrar na faculdade. O jardineiro da casa de praia resolveu estudar para ser doutor.

Mais igualdade de oportunidade, e menos massacre social. É isso que queremos.

Eu fui apenas uma a furar o cerco. Quero poder arrombar a porta para o povo entrar e juntos comemorar. Ou como disse Léo Santana, “de onde eu venho, tem mais”.

 

 
1 comentário

Publicado por em 27/10/2014 em Publicações

 
 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 192 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: